PEDIDO Nº 10 

"TER PROPORÇÕES AGIGANTADAS"

IMG_8711.JPG
IMG_8711.JPG

1/9

Soube do seu projeto por através do meu filho e adorei o seu site. Sou artista e achei a ideia bem interessante. Gostaria de participar. Recentemente tenho ficado encantado com fotografias antigas, especialmente imagens bem curiosas de bebês com vestidos imensos em antigos retratos de família. Quando são fotografados no colo de um adulto, o vestido vai até o chão, fazendo parecer que as pernas do bebê são gigantescas. Depois de muito divagar com doenças anatômicas imaginárias, soube que se tratam de mandriões, vestidos usados em batismos de crianças na igreja católica. Sendo ateu, nunca soube desta função ritualística do vestido.

Prefiro acreditar que são trajes especiais usados por seres fantásticos de anatomia atípica, e que quando adultos poderão habitar lugares longínquos, caminhar entre os picos das montanhas, passando de uma encosta a outra com toda a facilidade. Gostaria de ser um destes seres de elevadas altitudes.

 

 

RELATÓRIO:

Para fabricar esta lembrança inventada, utilizei antigas fotografias de álbuns de família em que figuravam crianças usando o emblemático vestido de batizado. As fotografias foram garimpadas em feiras de antiguidade de Porto Alegre ao longo do período 2009-2013. Acrescentei ainda um suporte especial para algumas destas imagens, que apresentavam dedicatória escrita a mão no verso da fotografia. Utilizei espelhos justapostos com inclinação suficiente para inverter a imagem espelhada projetada no vidro e tornar visível para o espectador o conteúdo do verso das imagens, além dos emblemas dos antigos estúdios fotográficos. O design dos foto-objetos foi projetado em parceria com o vidraceiro Maico em Brasília no dia 01 de outubro de 2014. As molduras foram obtidas em 2012 na tradicional casa Gino de fotografia, em juazeiro do Norte – interior do Ceará, que mantem ainda algumas antiguidades fotográficas, como estas molduras, que não se sabe quando foram produzidas, mas estavam à venda no galpão do Gino desde a década de 70, quando a loja ainda era mantida pelo seu falecido avô, que tem um retrato pendurado na parede da loja, mostrando as nítidas semelhanças físicas entre os membros da família. O mandrião foi feito a mão pela costureira da minha família, Eunice, que acrescentou ao desenho original a cauda alongada que aumenta a largura conforme se aproxima do chão. Algumas imagens de raio-x das pernas foram cedidas por um funcionário de um laboratório de Brasília, outras foram doadas ou emprestadas por voluntários que atenderam a uma convocatória para participar do projeto que foi lançada nas redes sociais. ”

 

CERTIFICADO DE AUTENTICIDADE:

Certifico, para os devidos fins legais, que a imagem apresentada é um registro autêntico da situação, real ou imaginária, que representa.

 

Itens:

Fotografias e molduras antigas.

Suportes em vidro e espelho

Mandrião de proporções agigantadas